Junta Militar da Renamo rapta e mata director de uma escola

0
82

A Polícia da República de Moçambique convocou a imprensa, na manhã desta sexta-feira, para anunciar que em meados de Maio passado, homens armados, apontados como elementos da auto-proclamada Junta Militar da Renamo, liderados na altura por André Matsangaissa Júnior (sobrinho de André Matsangaissa, Fundador  e primeiro comandante em chefe da Renamo), raptaram na sua residência o  director da Escola Primaria de Marrongamisse-II, localizada na localidade de Grudja, distrito do Búzi, em Sofala.

“As ossadas do director da EPC de Marrongamisse-II, que em vida respondia pelo nome Calisto Zacarias, vieram a ser encontradas no dia 14 deste mês, na zona de Chizizira, na mesma localidade, há menos de 10 quilómetros do local onde o cidadão em causa foi raptado. No mesmo local foi encontrado uma pasta contendo a documentação da vítima”, explicou Daniel Macuácua, porta-voz da PRM em Sofala.

Mas como é que a polícia tem certeza que as ossadas encontradas pertencem ao cidadão em causa? “Não há nenhuma dúvida para nós. Aliás num trabalho multi-sectorial, com a saúde e os peritos da SERNIC, de forma conclusiva iremos ter esta resposta que as ossadas pertence efectivamente ao senhor Calisto Zacarias, raptado pela auto-intitulada  Junta Militar da Renamo”.

Na mesma conferência de imprensa a polícia anunciou igualmente que a auto-procamada Junta Militar da Renamo tem estado a atacar pessoas civis e a destruir infra-estruturas do Estado.

“A título de exemplo, no passado dia 10 deste mês, na localidade de Chiadeia, no distrito de Nhamatanda, com recurso a armas de fogo do tipo AKM, os homens armados da Renamo saquearam vários fármacos, ameaçaram aos profissionais de saúde  e roubaram os seus pertences e depois incendiaram as infra-estruturas onde funcionavam o referido centro”.

Estes pronunciamentos da polícia surge 24 horas após a Renamo, através do seu Secretário-Geral, André Magibire, ter denunciado a ocorrência de raptos e assassinatos de quadros do seu partido, incluindo combatentes da perdiz que estão a ser desmobilizados, nos distritos de Nhamatanda, Búzi, Gorongosa e Dondo.  

Deixar uma resposta