“Os pobres não têm como ficar em casa”

0
30

A Igreja Católica em Cabo Delgado descreve a violência armada perpetrada por grupos terrorristas como sendo o maior vírus naquela Província nortenha de Moçambique. O distrito de Macomia, viu-se na última quinta-feira (29) debaixo de fogo cruzado, empurrando as populações para o mato.

Segundo o Bispo de Pemba, D. Luiz Fernando Lisboa, a vila distrital de Macomia viu-se na madrugada adentro da quinta-feira, debaixo de intensos ataques a alvos civis, facto que gerou um clima de medo generalizado no seio da população, que viu o mato como seu refúgio.

“Os pobres não têm como ficar em casa”, D. Lisboa

D. Luiz Lisboa, visivelmente triste pela aspiral de violência armada em algumas comunidades de Cabo Delgado, afirma que a população não tem como ficar em casa perante a acção dos insurgentes que atacam as suas residências.

Insurgentes dividem-se em pequenos grupos e fazem ataques coordenados

O Bispo de Pemba reconhece que o Governo mobilizou Forças de Defesa e Segurança para as zonas assoladas, mas segundo acrescenta, os insurgentes usam várias estratégias, incluindo a subdivisão em pequenos grupos.

A guerra: o maior vírus de Cabo Delgado

Ainda de acordo com o prelado, em Cabo Delgado, o Coronavírus está em segundo plano. E neste momento o maior inimigo é a guerra que eclodiu há quase três anos e já conta com centenas de mortes e milhares de deslocados.

PR prorrogra Estado de Emergência de 31 de maio a 29 de junho

Relativamente à prorrogação por mais 30 dias do Estado de Emergência, decretado pelo Presidente da República, com vigência de 31 de maio a 29 de junho, o Bispo de Pemba, vê com preocupação a medida, porque as famílias são muito pobres e precisam sair para trazer o pão à mesa.

De referir que o Covid-19 em Moçambique já fez dois óbitos e pouco mais de duzentas pessoas foram diagnosticadas positivas ao coronavírus. E para conter a propagação do vírus, o Presidente da República, Filipe Nyusi, prolongou por mais 30 dias o Estado de Emergência, impondo às pessoas a ficar em casa.

Deixar uma resposta